Decisão

Homem?
Mulher?
Homulher?
Mulhomem?
O que sou?
Quem sou?

Sou gente.
Rebento.
Incenso para
A minha, a tua, a nossa
Mente purificar.
Penso.

Um penso!

Anúncios

7 Comments Add yours

  1. Sim, Cássio, julgo que compreendi.

    Este entendimento vem ao encontro de uma expressão que às vezes utilizo. Mais ou menos isto: nós existimos e fazemo-nos através dos outros. É na interacção que nos construímos. Dito assim e desligado do contexto é fácil interpretar-se que somos marionetas, que não temos vontade própria, que somos joguetes à mercê dos outros.
    Não é por aí. O direito a escolher, a fazer opções, em nada é beliscado. A vontade de criar não é truncada
    As nossas decisões, das mais pequenas que nem damos conta até às que têm grande impacto, não se escrevem em folhas em branco. Há acontecimentos, há pessoas e nós não estamos cá sozinhos.
    E isto pode levar-nos a questionar o que é a liberdade e se somos livres ou em que medida o somos.
    Sabes, há pouco tempo acabei de reler o livro “Era de noite, meu amor”, do Vasco Graça Moura, e retirei para os meus apontamentos o seguinte: “A nossa liberdade está no que decidimos fazer com o que nos acontece.” Julgo que esta frase é muito certeira em termos da definição de liberdade.

    Voltando às tuas questões.
    O nosso olhar e o olhar alheios nunca estão desligados. Mesmo quando se decide viver numa zona deserta ou estar em clausura num convento. Decisões tomadas a partir de uma determinada realidade e construções mentais a partir dela.

    Liked by 1 person

    1. Sim, Isabel, acho que a frase do Vasco Graça Moura diz muito sobre liberdade (e aprisionamento). E até mesmo para pensarmos sobre a nossa responsabilidade ante aquilo que nos acontece.

      Liked by 1 person

      1. Cássio, corrijo o título do livro que citei: “Meu amor, era de noite”. Tinha trocado. 🙂

        Liked by 1 person

  2. Cássio, somos nós que escolhemos o que somos?
    Em que medida escolhemos ser quem somos?

    Liked by 1 person

    1. Esta é uma indagação mais do que importante, pois é, de facto, um ponto-chave na condução de nossas vidas. Por vezes, penso que a condução a si (e) por si seja ilusão, mas, se bem ponderarmos a respeito da construção da subjectividade, nós (nos) escolhemos através das escolhas alheias ou nós nos formamos através também do olhar e do dizer alheios. O que é que tu achas?

      Liked by 1 person

      1. Não sei se te me fiz compreender. :-I

        Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s