1º de Janeiro

Que bom que 1º de Janeiro chegou! Sinto-me aliviado. E isto não tem nada a ver com a inauguração de mais um ano conforme o calendário gregoriano. As razões para o meu alívio são de cariz colectivo e social, mas também pessoal. Bem, talvez a ordem seja inversa, pois tem mais relação com os anseios que as pessoas carregam consigo, quando uma nova sequência de doze meses se faz iminente.

No primeiro dia do ano, acordo seguro de que já não há festejos de fim de ano, nomeadamente Natal e “Réveillon”. Considero-os os mais desagradáveis dentre as datas comemorativas celebradas pela maioria das pessoas.

Numa ótica talvez muito particular e bastante pessimista para alguns, compreendo esses eventos como catalizadores de amarguras, energias confusas (em geral, negativas) e empecilhos para atos futuros e imprescindíveis para uma vida digna. Por isto, tenho a esperança de que, a esta altura, ao menos abrandaram todos os sentimentos e comportamentos nada corriqueiros atrelados ao Natal e ao “Réveillon”. Refiro-me, por um lado, às crenças de recomeço, renovação, transformação, mudança… e, por outro, às esperanças de abandono. Sim, há quem acredite que deixamos no ano anterior tudo aquilo que fizemos ou que fizeram e de que não gostamos. E, em consequência, quem pensa assim também crê que, no ano-novo, começará do zero ou será “perdoado” – numa perspectiva supostamente cristã – por todos os seus atos irresponsáveis.

Festas de fim de ano – assim como outras datas comemorativas – podem estimular a hipocrisia, o consumismo, a falta de criticidade e de amor-próprio. Muitos de nós reunimo-nos em família, trocamos presentes… com a ilusão de que todos amamos todos e vivemos de alegrias e na mais plena harmonia. Preferimos escamotear feridas emocionais ainda abertas e dificuldades de sobrivivência a tentar solucioná-las.

Essas comemorações de fim de ano exortam-nos a tomar atitudes que, por vários motivos, não compõem o nosso dia-a-dia. No campo emocional, tentamos exaltar a nossa capacidade de perdoar alguém que nos gerou tristezas e danos. No campo financeiro, empenhados em simular uma realidade em diferentes esferas. Adquirimos isso e aquilo para parecer e aparecer, pois as posses são tomadas como meios para o alcance de sentimentos nobres e vice-versa.

No entanto, o perdão não é uma ação acionada automaticamente nesse período do ano. Não é o mimo trocado no “amigo secreto” que o promove. Não adianta pular as sete ondas, comer as uvas passas e as lentilhas, guardar as sementes de romã na carteira ou porta-moedas, comprar o presente mais caro para o “amigo secreto”. Não é isso que nos fará alcançar saúde, prosperidade, paz, júbilo, dinheiro, amor, júbilo, harmonia, sorte, fortuna, esperança, liberdade, paixão, bondade… e outros itens das “modestas” listas de pedidos ao “Papai Noel”. Se o velhinho existisse, imagino o quão pesado seria o seu saco.

É interessante e, sobretudo, contraditório que passamos de uma condição de vida moderada para uma perdulária. Assim, contraímos dívidas que poderiam ser evitadas. Comprometemos o orçamento do mês seguinte. Se calhar, passamos todo o ano a pagar prestações de carnê ou as facturas do cartão de crédito devido às despesas de Dezembro. Assim, o necessário para uma vida digna deve ser adiado em virtude daquilo que se fez para esbanjar na data de aniversário daquele que pregava a modéstia, a comunhão, a partilha, a benevolência…  

Às vésperas do Natal e do ano-novo, há quem defenda que se vista essa ou aquela cor e o seu poder de trazer dinheiro, saúde, paz… Há quem compre panetones e cestas natalinas para doá-los aos pobres. Há quem leia trechos bíblicos antes da ceia, para dizer que todos somos “imagem e semelhança de Cristo”. Além dessas, outras atitudes são performatizadas nessa época.

Suponho que muitos façam imenso esforço dramatúrgico, porque, nos dias seguintes, as máscaras de ternura cristã caem com facilidade. Alguns que vestiam branco sob a justificativa de paz passam a discriminar negativamente aqueles que vestem branco todas as sextas-feiras. Alguns que diziam que todos os seres eram a imagem e semelhança de Cristo já não toleram a presença de homens e mulheres pobres, negros, homossexuais e com outras marcas identitárias em alguns espaços colectivos. Sem máscaras, esses defendem o discurso da meritocracia, opõem-se a programas sociais para os pobres e até contribuem para o agravamento das desigualdades sociais. As mazelas sociais são utilizadas para justificar o seu direito de oferecer esmola e depois propagandear um espírito cristão, que, a meu ver, é pura hipocrisia popularizada ao longo dos tempos e constantemente estimulada pelo capitalismo contemporâneo. De facto, não raramente, celebramos as datas sem reflectir sobre os seus significados e sobre as nossas experiências durante os mais de trezentos dias vividos até a ceia natalícia.

Portanto, que bom que 1º de Janeiro chegou sem a suposta alucinação e amnésia que envolvem a ilusão da transformação e do abandono, como mencionei antes. Este é mais um ano no calendário gregoriano e espero vivê-lo com a convicção e a lucidez de que estou enredado em uma trajectória constituída por alegrias e mágoas que causamos uns aos outros e a nós mesmos quotidianamente e ainda ciente de que só depende de mim encarar os embates necessários à construção de uma vida digna.

Anúncios

4 Comments Add yours

  1. Cássio, identifiquei-me com o teu ponto de vista.
    No princípio de Dezembro costumo dizer que me apetecia saltar logo para Janeiro 🙂 Pelo “ruído” que elencaste.
    Assim, excepto o dizer na linha na tradição “festas felizes” ou o seu equivalente, não faço mais nada de extraordinário. Alguma saída extra que faça ou festa a que vá, têm que ver com mais tempo livre e não com a época.
    O chavão de que é a época de paz, família e amor, é coisa que deito directamente no lixo porque não existe época para tal e se é preciso que exista, algo está muito mal.
    Há quem argumente que mesmo que a “bondade” seja só nessa época já vale a pena. Para mim não, o bom e o mau apanham-se sobretudo num continuum. É o curso dos dias que me interessa, com as suas rotinas e excepcionalidades.
    Também não formulo desejos de ano novo porque eles correspondem ao que quero para cada dia e que creio que, devido a circunstâncias particularidades, tenho bem presente no quotidiano.
    Que venham dias bons para ti!

    Liked by 1 person

    1. Isabel, é isto: se reservam uma época para o exercício da bondade, do cuidado com o próximo e de outros actos necessários para uma convivência humana digna, é como disseste: “algo está muito mal.” Também prefiro ocupar-me com a construção do dia-a-dia dia a dia.

      Obrigado pelos votos, Isabel! Sim, que nos venham dias bons!

      Liked by 1 person

  2. Eu sou um dos que adoram as entradas de ano. Mais pelo ritual interior de ponderação sobre o passado e a projeção de um futuro. Os natais é que sempre foram tristes, sinalizadores de que, se depender dos que eu sempre via trocando presentes, a vida coletiva permanecerá a mesma, ou até pior.

    Por isto, admiriei a sua coragem em abordar este tema frontalmente, escancarando a hipocrisia e a violência comoartilhada entre família.

    Liked by 1 person

    1. Murilo, você acabou por dar-me a palavra adequada para reflectir sobre hipocrisia. Obrigado por isto, pois, de facto, hipocrisia consiste em violência contra o outro e contra aquele que a pratica. É importante pô-la nestes termos. Obrigado pelo diálogo.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s