1º de Janeiro

A 1º de Janeiro, acordo seguro de que já não há festejos de fim de ano, nomeadamente Natal e “Réveillon”. Considero-os os mais desagradáveis dentre as datas comemorativas celebradas pela maioria das pessoas.

Partilhando a alegria da primeira vez: a perda do “cabaço” de novo

A minha intenção é mesmo partilhar uma alegria com vocês. E uso aqui cabaço metaforicamente para registrar o meu desvirginar ante uma nova oportunidade que a vida me ofereceu. Sim, novas oportunidades, novos desafios na vida promovem, em alguma medida, um desvirginar. Então, compartilho a minha primeira experiência à frente das câmeras, sob a direção de Murilo Guimarães.

“Quem cozinha dos dois?” – quando homofobia e sexismo azedam o dia

Esta deveria ser a regra de uma casa: divisão igualitária do trabalho entre os cônjuges, independentemente de sexo, de identidade de gênero ou de sexualidade. Sentiu fome? Vá à cozinha, pegue os ingredientes necessários, prepare o prato e sirva-se. Se quiser, faço-lhe companhia, mas sem homofobia e sexismo, porque estes não são temperos e até azedam a vida.

Sivuca, um estimado gato

Sivuca foi um companheiro tranquilo, fiel ao que se espera de um felino. Surpreendeu-nos o modo como se relacionou connosco. Deixou-nos à vontade tanto quanto ficou à vontade.

Macaíba a todo calor

E, assim, a tarde transcorreu sob o calor de uma amizade de mais de uma década. São as boas recordações que alimentam saudades e vontades de encontros futuros.

Indigestão no café-da-manhã

Desjejuar é, para mim, a chance de iniciar a preparação para enfrentar os desafios que o dia me proporcionará. Daí, penso bem naquilo que como e como o faço. Ao menos, quero fazê-lo com tranquilidade, sem alvoroços e sem energias negativas ao meu redor. Por este e outros motivos, evito assistir a certos jornais ou programas de TV matinais, por exemplo. Geralmente, em paz, tomo o meu café e ingiro algo mais.

Entretanto, como nem sempre se está em casa para manter esse privilégio, o insólito acontece e algo indigesto pode integrar o cardápio da manhã. E foi isto o que me ocorreu noutro dia.

No consultório médico

Em poucos minutos, ela ficou sabendo das minhas dores de cabeça intensas e sentidas durante toda a minha adolescência, das minhas crises renais, das minhas hérnias, da minha fimose, da tensão alta de papai e de mamãe, da enxaqueca de papai, da artrose de mamãe, da coleção de cálculos renais do meu pai, da diabetes de algum tio, do AVC de outro…

Livros em tempos de Facebook

Imagine, então, que um escritor já não pense em escrever um livro de contos, um romance ou de quaisquer outros géneros literários, mas, sim, um livro de frases para Facebook. Pode até embonecá-lo com diferentes emoticons.

Barata de Shopping

“Olá, boa noite, quem está primeiro?”, a vendedora perguntou. “Nós”, responderam. Era um jovem casal, com um bebê recém-nascido. A vendedora aproximou-se. “Boa noite. O que vão querer?”, ela perguntou ao casal. Silêncio. Sem ouvir nenhuma resposta, ela repetiu a pergunta. O silêncio persistia. Eu virei para o casal, percebi que o homem mexia a testa,…

Leite derramado

Ontem, pela manhã, eu derramei o leite quase todo que havia na vasilha. O que eu queria era apenas fervê-lo e preparar o meu café. Um café dos tantos que preparo e bebo quando estou em casa. Mas, sem querer, eu derramei o leite. Desastradamente encostei a caixa de leite na lateral da leiteira, que desequilibrou,…