Quarentena: nota quatro

#FiqueEmCasa, mas, quando você vive em uma casa partilhada com outros estudantes ou trabalhadores cujas atividades foram temporariamente suspensas, estão todos juntos a respirar os mesmos ares ao mesmo tempo e por longas horas. PERIGO!

#FiqueEmCasa, mas, quando você divide o quarto com alguém nessa casa partilhada (qualquer coisa como uma república estudantil ou um albergue), ares e gases a circularem livremente, você confinado, PERIGO! PERIGO! PERIGO!

Quem consegue manter-se isolado e seguro em “hashtag”, aliás, em confinamento?

Novidades (Resposta a um e-mail)

Os dias continuam fúnebres, principalmente quando me chegam notícias da outra margem do Atlântico.

Os dias ficam mórbidos, quando recebo notícias de dentro de mim todo santo pandêmico dia.

Pronto.

É isto.

Estou bem.

E tu?

***

P.S.: estou a ler Kwame Nkrumah numa versão portuguesa de 1977, o único traduzido até então. A África deve unir-se é o primeiro título que levanto na biblioteca pública.

P.S.: ah, e tenho cada vez mais raiva das burguesias, as locais e as transnacionais; sempre com arroubos impróprios, terminam por trair a causa operária e mais e mais vezes se metem sob o chinelo e o chicote imperialistas.

P.S.: estou cansado dos Estados Unidos. Até quis muito que Trump ganhasse. E tudo o que eles necessitam é de um egocêntrico para destruir a sua democracia ditatorial (ou seria uma ditadura democrática?) que nos impingem a todos.

P.S.: e o Brasil? Quando me permitirá voltar?