Como descriminar quem incrimina o celular?

Há tempos, um amigo mandou-me uma mensagem no WhatsApp a partilhar a sua ideia de investigação para o trabalho de conclusão do seu curso de graduação, o famoso TCC. Muito entusiasmado, ele gostaria de saber a minha opinião sobre o seu tema de pesquisa, que, citando as suas próprias palavras, seria “a descriminação sofrida pelo homem do campo quanto a sua linguagem”.

DESCRIMINAÇÃO? Estranhei o uso do vocábulo, mas, em primeiro lugar, congratulei-o pelo empenho em levar a vida académica a sério. O ingresso no ensino superior era-lhe um sonho antigo e fora alcançado havia menos de um ano. Mesmo com mais da metade do curso pela frente, ele já se preocupava com o TCC, ou seja, com o final do percurso.

Depois dos parabéns, julguei coerente chamar-lhe a atenção para os problemas linguísticos na sua frase. Afinal de contas, além de ser um estudante universitário, ele cursava uma licenciatura em língua portuguesa.

“Afinal, qual foi o crime cometido?” — perguntei-lhe por gracejo, na tentativa de que ele revisasse a frase e identificasse o emprego equivocado do substantivo descriminação. Imaginei que não fosse agradável enviar-lhe uma mensagem do tipo «Olhe, você escreveu errado e pá, blá, pá, pá, blá, blá». Optei pela sutileza, pensei eu, mas não surtiu o efeito expectado. Talvez lhe tenha soado como ironia ou sarcasmo.

“Que crime?” — disse-me, ignorando o erro linguístico e, com um tom quase agressivo, arrematou o seu descontentamento com o seguinte: “Este é o tema. Não entendeu, não, foi?”

Após essa reação, restou-me o confronto direto. Enviei-lhe a seguinte mensagem: “A DISCRIMINAÇÃO sofrida pelo homem do campo quanto À sua linguagem”. Todavia, sem o efeito esperado. Ele repetiu-me que era aquele o seu objeto. Explicou-me o significado do enunciado, do enunciado corrigido por mim, pois o dele produzia outro efeito de sentido. Depois, justificou-me a sua escolha.

Sem pestanejar, expliquei-lhe a diferença semântica entre os substantivos descriminação e discriminação. Conquanto não conste em todos os dicionários, o primeiro é mais utilizado no Brasil do que em Portugal. É formado a partir da junção do prefixo des e do sufixo ção à raiz do verbo criminar, que, por sua vez, é sinónimo de criminalizar e incriminar. O seu significado refere o ato de inocentar alguém acusado de ter cometido um crime. Por sua vez, o segundo substantivo é formado a partir da junção do sufixo ção à raiz do verbo discriminar e denota o ato de distinguir, diferenciar, julgar a partir de preconceitos sociais ou características de outra ordem. Acreditava eu que estivesse a contribuir para os primeiros passos do projeto de investigação. No caso, a simples adequação vocabular ajudaria a apresentar o seu objeto de estudo com clareza.

Porém, o meu interlocutor revelou o desconforto e a ofensa que eu lhe causara: “Eu peço ajuda e tu vem corrigir”. Acrescentou: “É claro que sei a diferença”. Nem por isso, deixou de dar uns pontapés na língua.

Se sabia a diferença entre os substantivos, perguntei-me a mim mesmo, qual a razão de não corrigir os equívocos a tempo? Como eu poderia ajudá-lo sem a emenda linguística? Negligenciar a descuido de um amigo e ainda colega não seria um comportamento honesto da minha parte, principalmente na condição de revisor de texto e professor de português.

De todo modo, esquivei-me de qualquer reparo às suas falas, pois, se eu comentasse algo a respeito da conjugação do verbo quando o sujeito é a segunda pessoa do singular, não sei o que aconteceria. Ele seria capaz de escrever em letras capitais: «LÁ VEM TU DE NOVO!” Resolvi nada referir quanto à concordância verbal, pois não sei se perceberia se eu lhe dissesse: “Agora, tu vens com outra calinada”.

Silenciei-me para evitar indisposições e até animosidades. Além do mais, era ele quem me solicitava a opinião sobre o seu objeto de investigação. Se fosse o contrário, digo, ele a alertar-me sobre algum erro gramatical que eu cometera, eu agradecer-lhe-ia o favor. Confesso que me envergonho quando negligencio o nosso idioma. Esperava do colega — e amigo — uma reação que não aquela, principalmente por se tratar de um futuro professor da nossa língua materna.

Passados alguns minutos, enviou-me o seguinte: “A culpa é deste celular, que corrige tudo errado”.

Respondi-lhe: “Compreendo, pois, às vezes, a tecnologia complica”. Disse-lhe isto, mas convicto de que não era o caso.

Depois de minutos, mandou-me um “É”, bem seco.

“Mas não há como descriminar quem incrimina o celular” — insisti.

“Sei” — enviou-me, mais seco do que o “é”.

“Até porque tu serás um professor de português, não é?!”

Ficou off-line.

Supermercado aprisiona mulher em casa de banho

Supermercado aprisionou uma mulher na casa de banho. Com vários clientes a testemunharem a cena, funcionários de um supermercado localizado numa zona histórica e turística de Lisboa cercearam a liberdade de uma senhora negra e de meia-idade. Dois funcionários impediram a mulher de sair do local, submeteram-na à humilhação perante todos os presentes e prenderam-na no banheiro, de onde ouvíamos os seus pedidos de socorro.

Sou cliente da loja devido à sua localização próxima de casa e devido a alguns produtos e preços acessíveis. Sempre tive elogios aos funcionários, quando me foi necessário abordá-los para dirimir dúvidas sobre ofertas ou outro assunto relacionado aos produtos do meu interesse.

No entanto, hoje, domingo, 17 de junho de 2018, foram os próprios funcionários a macular o meu dia e a deslustrar a imagem daquele estabelecimento comercial. Fizeram-no exatamente entre às 15h50min e às 16h05min, quando lá estive a comprar pão e batata-doce e quando infelizmente me encontrei entre testemunhas daquela cena triste, infeliz, lastimável de facto.

Uma senhora estava a tentar deixar o local e foi impedida por uma funcionária, que barrou a passagem da primeira e, com certa impaciência, ordenou que o caixa chamasse outro funcionário. Este, ao chegar, ajudou a primeira funcionária a prender a senhora, uma suposta cliente, dentro do banheiro da loja.

O clima ficava tenso. Uma fila formava-se e alongava-se no único caixa a atender-nos. Todos viam o que se passava. Em poucos minutos, foi aberto outro caixa, ao qual passei. Ao ser atendido, perguntei a um dos funcionários que conduzira a senhora para dentro do cubículo o que estava a acontecer. Ele disse-me não valer a pena compartilhar qualquer informação comigo. Eu fiz-lhe um gesto de que aquela situação era desagradável e não me parecia justo e justificável o aprisionamento daquela mulher na casa de banho, de onde ouvíamos os seus pedidos para dali sair.

Entre os clientes, havia a suspeita de que a cliente-aprisionada poderia ter roubado ou tentado roubar algum produto da loja. A considerar um diálogo entre a senhora e a primeira funcionária mencionada, — quando a senhora afirmava não levar nada consigo, e a funcionária a mencionar a palavra “polícia” —, insisti com o segundo funcionário se eu poderia ajudar e pagar o produto que a senhora tentara roubar. Perguntei-lhe qual produto fora o objecto do suposto crime e ofereci-me a pagar por ele. Ele, por sua vez, recusou a minha tentativa de ajudar a senhora, porém manteve-a aprisionada dentro daquele compartimento, enquanto clientes se juntavam ao longo do caixa ao lado da casa de banho, de onde – repito – a senhora pedia ajuda.

Saí da loja aturdido com o tratamento destinado àquela mulher. Conquanto nenhuma ação ou tentativa de roubo esteja a ser justificada por mim, assevero aqui o meu desconforto em estar ali e não poder ajudar a senhora, pois o representante do supermercado impediu-me. Compreendo a sua necessidade de impedir as ações de roubo na loja, mas não posso concordar com a atitude dos dois funcionários — ou da própria loja — de fechar uma mulher negra, de aparência humilde e de meia-idade no banheiro, de cercear a sua liberdade e de submetê-la a toda aquela humilhação.

Da loja à casa, não encontrei os policiais que, com frequência, estão nas redondezas. Voltei aturdido com o que presenciei e frustrado por nada ter feito. Entrei e, de imediato, abri o computador: busquei a loja online, acedi à secção de “Apoio ao cliente” e reportei o ocorrido. E agora?

Agora, espero que o acontecimento seja devidamente apurado e que facto congénere não se venha a repetir. Todavia, ante todo o exposto acima e não obstante a minha ação, na condição de consumidor e cidadão, a inquietação e a sensação de impotência permanecem comigo. Pergunto-me: será essa a orientação do supermercado aos seus funcionários, para desrespeitar os direitos humanos? Como combater esse tipo de ação? O que fazer agora? O que terá acontecido àquela mulher? Saberá a sua família do seu paradeiro? Terá ela uma família em Lisboa? Qual será a sua sorte?